2º Dia : Chuva e Lama

1º Etapa – Itapema
Março 27, 2015
3º Dia : Canyon Monte Negro
Março 31, 2015

Hoje o dia prometia. Acordamos cedo, tomamos o café rapidinho, nos despedimos de Itapema e pegamos a 101 rumo à Tubarão. Entramos depois sentido interior passando por cidadezinhas lindas, como Gravatal, Orleans e Lauro Muller. As cidades são simples e bem cuidadas,com as casas pintadinhas por mais humilde que fossem e o terreno sempre varrido e uma plantinha enfeitando tudo. Pegamos a serra do Rio do Rastro e após um último vislumbre da paisagem o tempo fechou e subimos a serra com neblina forte e uma chuvinha chata. Mais uma vez não consegui fotografá-la. Teremos que voltar outra vez…

Paramos pra almoçar em uma churrascaria em Bom Jardim, a Churrascaria Tropeiro, que tem comida gostosa, vista maravilhosa e atendimento gentil. Ficamos por lá bastante tempo esperando o taxi que levaria a Renata na estrada de terra e como ele se atrasou acabamos saindo tarde para enfrentar os 40 km de terra, às 15:40. O Moisés mandou a bagagem no carro mas o Fábio não quis e partiu com as todas as malas, eu inclusive. O começo da estrada é cheio pedras e achamos que seria moleza. Eu ia alucinada, fotografando como louca a paisagem maravilhosa que nos rodeava. Mas a moleza logo acabou e entramos num lameiro de fazer inveja a qualquer rally. Logo veio o tombo, do Fábio, porque eu, safa que sou, caio de pé… E lá fomos nós, cada vez que a lama surgia eu desmontava e seguia a pé, aliás mal conseguia ficar de pé de tanto que escorregava aquele sabão. Andei pra caramba! E aquela lama ia impregnando a roda e fazendo um grude só e as motos, deslizavam e rebolavam. Lá pelas tantas quando consegui chegar perto eles  haviam combinado com um cara de um sitiozinho e ele me levaria no pior trecho do caminho em sua moto, uma valente 125. Fazer o quê, nem questionei, fui lá e subi na bichinha que tinha pedaleira só de um lado e demorou umas 50 alavancadas até pegar. E depois dessa eu nunca mais terei medo de nada na vida porque ele “taca-lhe pau”e desceu por lamaçais inacreditáveis sem diminuir a velocidade nenhuma vez…Eu olhava aqueles lugares e não imaginava como os meninos passariam por lá. Depois de uns 5 km parou num lugar que julgou seguro e me deixou lá, no meio do nada, esperando pelos dois. Que felizmente chegaram depois de uns 15 minutos. Nem eles acreditaram que haviam conseguido. O restante do caminho foi um pouco melhor mas com muitas rabeadas, pontes que mais pareciam pinguelas e uma neblina que fazia que não enxergássemos nada a 5 m de distância. Chegamos na pousada Monte Negro com a noite caindo e tomamos a maior bronca da Rê por sermos 3 malucos!

Um jantar gostoso regado a vinho , boa comida e boa prosa encerrou e dia. Dormimos como crianças embalados pelos  sons da mata.

 

DSCN3653 DSCN3654 DSCN3655 DSCN3656 DSCN3659 DSCN3663 DSCN3665 DSCN3666 DSCN3672 DSCN3679 DSCN3690 DSCN3695 DSCN3707 DSCN3708 DSCN3709 DSCN3711 DSCN3712 DSCN3718 DSCN3731 DSCN3732 DSCN3734 DSCN3740 DSCN3743 DSCN3751 DSCN3753

Os comentários estão encerrados.