4º Dia: Idéia de Jerico ou passeio de índio

3º Dia: Recepcionando nossos amigos
Janeiro 17, 2015
1º Etapa – Itapema
Março 27, 2015

Acordamos mais tarde, tomamos café sossegados, afinal queríamos chegar em Morretes só para o almoço e eram apenas 50 km…Saímos por volta das 11 hs. Chegamos em Morretes com um sol pra cada um sob nossas cabeças. Estacionamos as motos na primeira sombra que encontramos e saímos em busca do restaurante que a Rê e o Mô conheciam. Passamos pela praça ensolarada como se estivéssemos em uma prova de corrida…Acomodados embaixo de um ventilador aproveitamos nosso peixinho e os camarões. Enrolamos bastante mas chegou a fatídica hora de pegar a estrada. Eram 14 hs, com o sol na sua máxima potência. Fui até o banheiro , molhei minha camiseta e vesti assim molhada. Que alívio. O Fábio e o Moisés fizeram o mesmo. Sentamos na moto e fomos encarar a estrada da Graciosa. Nós, a torcida do Corinthians e a do Flamengo também. O rio que desce a serra havia se transformado em um rio de gente. E essa gente tinha deixado seus carros estacionados em todos os lugares possíveis. E havia mais gente chegando, como uma espécie de” êxodo”.O termômetro marcava 38° mas a sensação térmica era de inferno. Fomos tentando cortar um pouco os carros até que vimos que o Moisés não estava nos seguindo. Paramos para esperar e um carro passou nos avisando que eles haviam caído. Voltamos correndo e os encontramos já a caminho, bem. O Moisés no desespero do calor jogou os dois braços para trás para a Rê tirar sua jaqueta e esqueceu do freio, resultado, chão!

Resumo da ópera, levamos 2 horas para percorrer 20 km da serra. Chegamos lá no portal acabados. Paramos e vimos um ranchinho. Pedimos e a dona do lugar, uma santa, nos deu água e permitiu que molhássemos nossa roupa na sua pia. O calor era tanto que nem me envergonhei de tirar a blusa alí mesmo ! Partimos para a Br e chegando à serra e nos deparamos com um trânsito terrível, com todos os caminhões e carretas do planeta lá. E passar por esse pessoal não é tarefa fácil, especialmente quando se juntam. Eles fechavam os corredores e por mais que tentássemos não conseguíamos passar. O calor alí estava insuportável. Levamos 5 horas para percorrer 200ks. Paramos em Registro acabados e desidratados. A informação que a internet nos dava era que a serra do cafezal, que viria a seguir estava com um congestionamento monstro por um acidente com uma carreta. Não dava mais, resolvemos procurar um lugar para dormir em Registro e seguir viagem no outro dia bem cedo.

A pousada da Ribeira onde ficamos é muito arrumadinha, com um chuveiro gostoso e atendimento gentil. Depois de um belo banho saímos para jantar, a pé mesmo. A churrascaria era muito simples, mas tiramos o plástico da mesa e mandamos ver. Depois disso um sono merecido. Amanhã acordaríamos bem cedo para chegarmos a tempo de trabalhar, fazer o quê?

viagens de moto 171 viagens de moto 172 viagens de moto 173 viagens de moto 174 viagens de moto 175 viagens de moto 177 viagens de moto 183 viagens de moto 179

 

Os comentários estão encerrados.