2 Dia: Analândia de cabo a rabo

1º Dia: Desacelerando
Fevereiro 23, 2014
3º Dia: Cavalos para completar o “tratamento”
Fevereiro 24, 2014

Acordamos cedo e recebemos nosso café da manhã no chalé. Uma delícia tomar o café ainda de pijama no terraço, como se estivéssemos em casa…

Tínhamos conversado com o Milton que nos deu algumas dicas e saímos à pé rumo ao primeiro destino. “Conte 7 postes e quando o fio de luz passar para o outro lado vocês verão 2 pedras e uma trilha sai dai” Com essas instruções precisas chegamos à nossa primeira cachoeira. Escondida e linda!

Nosso segundo destino era a cachoeira da ponte amarela. Também fácil de encontrar mas no caminho pegamos areia e a moto deu umas rabiadas e ainda nos deparamos com uma situação incomum, na mesma estrada vinha uma boiada. Fazer o quê, encostar, desligar a moto e torcer para nenhum daqueles bois invocar conosco…

Chegamos sãos e salvos e fizemos o que eles chamam de acquatrekking, subimos o rio caminhando nas pedras por dentro dágua . Uma delícia! Ainda não estava muito calor mas o Fábio não dispensou o primeiro banho de cachoeira alí mesmo. Sessão detox energia total.

Agora, próxima parada, cachoeira Salto do Major Levi. Fica logo na entrada da cidade, muito bonita. Haviam nos alertado sobre a possibilidade dessa cachoeira não estar muito limpa, ô coisa ruim esse bicho homem! Então nela,só comtemplação, mas é bem bonita.

Em seguida partimos para a cachoeira do Escorrega. Ela fica em uma área particular, então paga-se para entrar. Uma delícia, mas pedras parecem sabão de tão escorregadias, tem que andar sentado mas compensa, a queda dágua é bem forte e é  realmente de lavar a alma e levar o biquini, cuidado! Almoçamos por ali mesmo, a comida é simples mas bem gostosa.

O calor estava matando, então paramos na praça para um café até esperar refrescar.

Em seguida nos enchemos e coragem e seguimos para ver o Cuscuzeiro e o morro do Camelo. Esses são o cartões postais de Analândia e os enxergamos ao longe de quase toda a cidade. O caminho é mais árido, com a falta de chuva a terra que é arenosa fica muito solta e sofremos para chegar. Tinha lugar que o Fábio passava com os pês no chão, esquiando…

No cuscuzeito tem uma infra com arvorismo, tiroleza, escalada e rapel. Mas como só íamos dar uma espiada seguimos em frente pela estrada que leva à outra cachoeira, e como estávamos subindo a vista que tínhamos dos 2 morros era de tirar o fôlego.

Chegando na cachoeira da Bocaina fomos alertados pelo proprietário que ela estava com pouca, água pois a seca estava muito grande e como havia uma taxa para entrar(R$5,00) ele achava melhor avisar. Chegamos até aqui, vamos ver, né? Essa é uma queda dágua bem alta, cerca de 40 mts. Primeiro vimos por cima e havia algumas pessoas preparando um rapel. Resolvemos ver por baixo pois o “seu” Luiz disse que eram 5 minutos só, para descer… Caraca! Xinguei o “seu” Luiz a descida toda que é beeem íngreme, rústica e arriscada. E o pior, tinha que subir tudo aquilo depois! Mas sobrevivemos, e na volta ficamos conversando com o “seu” Luiz enquanto víamos os macacos pregos selvagens se alimentando com o milho que haviam colocado para eles. Soubemos de histórias da onça parda que vinha comer as cabras do seu Luiz e como a compra de um jumento resolveu isso. Verdade, o bicho sente cheiro da onça de longe e fica “soprando” tanto que espanta a danada. Bom, depois dessa, chega, pois ainda tínhamos que voltar.

Mas ainda sobrou fôlego para ir jantar na Cachaçaria e escutar um pouco do pessoal que se tocava aquela noite. Depois, dormimos como anjinhos…

viagens de moto 004 viagens de moto 002 viagens de moto 005 viagens de moto 006 viagens de moto 008 viagens de moto 009 viagens de moto 010 SAMSUNG SAMSUNG SAMSUNG SAMSUNG SAMSUNG viagens de moto 014 SAMSUNG SAMSUNG viagens de moto 015 SAMSUNG SAMSUNG SAMSUNG viagens de moto 024 viagens de moto 023 SAMSUNG SAMSUNG SAMSUNG SAMSUNG SAMSUNG SAMSUNG SAMSUNG SAMSUNG SAMSUNG

 

Os comentários estão encerrados.